DCF 1.0

Choro na Hora do Chá: Ajudando uma Criança a Extravasar suas Emoções

Esse texto já foi lido56592 vezes!

Mais uma vez entendi que a melhor forma de ajudar nossos filhos é através de uma conexão que permita com que eles extravasem suas emoções, seja através do riso ou do choro. Chorar não é ruim. Quando uma criança chora, precisamos mostrar para ela que estamos juntos nessa e que ela vai atravessar pela dor, tristeza, raiva e sair do outro lado sentindo-se melhor. Mostramos isso com nosso olhar, nossa presença e com poucas palavras, sem tentar conforta-la ou fazê-la parar de chorar.

Ontem foi um dia de trabalho difícil. Eu precisava entregar uma apresentação de manhã e a tarde teria uma reunião com os sócios. Até consegui acordar cedo, meditar, preparar alguns materiais e ainda preparar o café da manhã, mas depois disso foi tudo corrido. Almocei com a família, mas praticamente engoli o almoço e saí para a reunião com os sócios. Cheguei em casa 19:30, depois do jantar. Comi qualquer coisa rápido. Estava tenso. Nem falei com Leo direito. Por volta das 20:00 Leo pediu para mamar e dormir. Foi estranho pois ainda iríamos fazer a brincadeira e depois tomar chá. Regiane levou Leo para dormir e eu fiquei com a Luna. Fizemos nosso tempo de brincadeira. Eu estava cansado mas tentei dar toda a atenção que conseguia. Luna quis se balançar no trapézio e depois no sling. Quando ela estava no trapézio ela pediu para eu tentar pegar os pés dela. Eu ia para longe e quando ela se balançava eu tentava pegar os pés mas deixava escapar por um triz. Isso gerou algumas risadas nela. Depois Luna decidiu ir para o sling e pediu para eu balançar o sling de uma forma que ela conseguisse bater os pés no teto (o teto do mezanino é baixo). Ela deu muitas gargalhadas. Depois brincamos de cantar juntos e aí os 15 minutos terminaram. Descemos e eu fui fazer o chá. Enquanto esquentava a água, Luna pediu para eu contar a história do Aladin e a Lâmpada Mágica. Liguei o iPad da Regiane e comecei a contar. Lá pelo meio da história a bateria acabou e por sorte eu conseguia lembrar o resto da história. Eu mencionei o fato da bateria ter acabado para mostrar como as crianças são frustradas com pequenas e grandes coisas ao longo do dia e essas frustrações vão se acumulando dentro delas e precisam sair em algum momento.

Ao terminar a história, servi o chá: uma xícara para mim, uma para ela e uma para Regiane que ainda estava no quarto com o Leo. Luna pediu para ir lá no quarto e minha primeira reação foi dizer não, com medo que ela despertasse o Leo. Ela disse que iria em silêncio e então fomos juntos. Ela abriu a porta com delicadeza e avisou a mãe que o chá estava pronto. Regiane disse que já estava vindo. Sentamos para tomar o chá.

Eu: Vamos pensar no que mais gostamos do dia ou de alguma coisa pela qual queremos agradecer.

Luna: Cadê a mamãe?

Eu: Cadê a mamãe?

Luna: Está lá com o Leo. Mas ela vai perder o chá!

Eu: Ela bebe depois. Você conseguiu pensar em alguma coisa boa do dia?

Luna: Eu não vou falar nada.

(Sinal de alerta 1: Luna sempre participa falando uma ou duas coisas que gostou no dia)

Eu: Tá bom. Então eu vou falar.

Luna: Eu não vou nem brindar com você.

(Sinal de alerta 2: Luna adora brindar depois que alguém fala algo bom)

Eu: Tá bom.

Luna: Eu vou lá chamar a mamãe.

Depois de perceber os dois sinais, estava claro para mim que Luna precisava de limite para poder extravasar suas frustrações. 

Eu: Não, você vai ficar aqui com o papai.

Se ela estivesse bem, iria concordar tranquilamente em ficar comigo, porém Luna começa a chorar. Agora era a hora de ficar escutando seu choro com carinho e conexão.

Luna: Eu quero a mamãe. Eu quero dormir.

Eu (com calma): Agora nós vamos ficar aqui.

Luna: Eu vou chorar até a mamãe chegar. (e começa a chorar cada vez mais alto)

Eu: Você vai acordar o Leo e aí a mamãe não virá mesmo.

Putz, que erro! Me esqueci por um segundo que ela estava completamente inundada por emoções e precisava de conexão e não de explicação. Quando o sistema límbico inunda nosso cérebro com emoções, o neo-córtex (nossa parte mais racional) não consegue funcionar direito, portanto não adianta ficar explicando.

Luna continuou chorando e eu fiquei com ela. Ouvindo ela chorar e mantendo contato com os olhos.  Leo acordou lá no quarto e começou a chorar também pois queria sair do quarto. Regiane estava colocando o limite lá e não deixou ele sair.

Luna foi se acalmando. Quando ela parou de chorar eu fiz meu agradecimento. Agradeci à dinda da Luna por ter ficado com ela a tarde enquanto Regiane resolvia outras coisas com o Leo.

Falei que era hora de escovar os dentes e fazer xixi. Ela foi tranquilamente. Ou seja, depois de um choro que durou 3 minutos, ela tinha descarregado suas emoções e voltado a funcionar bem. Depois entrei com ela no quarto. Leo estava acordado no colo da Rê. Pedi para a Luna subir para cama e ela fez com tranquilidade. Fechei a porta e depois de 10 minutos Regiane saiu de lá e deixou os dois adormecendo.

6 respostas
  1. Andrea Prado
    Andrea Prado says:

    A sua sensibilidade e parceria com a sua esposa são inspiradoras…pq educar um ser, é uma tarefa árdua.Exige paciência, dedicação, sabedoria, sensibilidade….e tantas outras coisas.Adoro os seus relatos.Me ajudam com o meu filho!!!Obrigada por compartilhar essas experiências…

    Responder

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] This post was written by Marcelo Michelsohn in Portuguese and English. Marcelo is a Parenting by Connection Instructor Candidate in training. If you prefer to read in Portuguese click here. If you would like to suggest his blog to Portuguese speaking friends, go to filhasefilhos.com […]

  2. […] by himself into English. Marcelo is a Parenting by Connection Instructor Candidate in training. If you prefer to read in Portuguese click here. If you would like to suggest his blog to Portuguese speaking friends, go to […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *